O deputado Zeca Viana propôs nesta segunda-feira (29), durante audiência pública com 63 prefeitos de Mato Grosso, que a Assembleia Legislativa devolva R$ 80 milhões ao Estado para ajudar no pagamento das dívidas da Saúde. Em contrapartida, o governo não poderá utilizar a parte dos recursos do Fundo Estadual de Transporte e Habitação (Fethab) para quitar esses débitos.

“Nós da oposição achamos que o governo tem que cortar nos gastos superficiais, frear os investimentos, e pagar as dívidas da Saúde, porque essa é a prioridade. E somos a favor de que a Assembleia devolva os R$ 80 milhões que tem de sobra para o governo investir em Saúde, ao invés de fazer emendas para os deputados, como tinha sido falado até então”, propôs.

A devolução de R$ 80 milhões da Assembleia para o governo do estado foi proposta inicialmente pelo deputado Eduardo Botelho, presidente da Casa. Contudo, a ideia inicial era investir esses recursos em obras de infraestrutura urbana, reservando ainda um percentual para a área da cultura.

Zeca ainda defendeu a parcela do Fethab que é repassada aos municípios, argumentando que o governo Pedro Taques (PSDB) não pode fazer os prefeitos pagarem a conta pelos erros da administração estadual.

“Eu sou do agronegócio e lutei pelo Fethab, para que ele fosse repassado aos municípios para melhorar a situação dos prefeitos. E não podemos deixar o governo meter a mão nessa pequena parcela dos municípios. O Estado já fica com a maior parte do Fethab e não tem prestado contas de onde está gastando esse dinheiro”, disse Zeca.

A proposta de Zeca foi aprovada por deputados e prefeitos presentes, que também entenderam não ser possível cortar os recursos dos municípios para quitar as dívidas do Estado. Prontamente, Botelho afirmou que não vê problemas em investir os R$ 80 milhões na Saúde.

“Só preciso colocar essa proposta no colégio de líderes, para os deputados avaliarem, mas não acredito que teremos problemas em aprovar”, disse.

Presidente da Associação Mato-grossense de Municípios (AMM), Neurilan Fraga (PSD) apontou que muitos prefeitos já estão gastando cerca de 30% do orçamento para custear a Saúde, enquanto o Estado compromete apenas 12%. Na visão de Neurilan, a retenção do Fethab dos municípios restringiria totalmente a capacidade de investimento das prefeituras.

“Essa questão precisa ser melhor discutida. Os prefeitos me convocaram e decidiram que não vão devolver o Fethab para o governo. Não podem colocar a culpa dos problemas da Saúde nos prefeitos. Que use o mais de R$ 1 bilhão do Fethab que fica com o Estado para resolver o problema da Saúde neste momento”, disse Neurilan.

A previsão de arrecadação do Fethab para 2017 é de R$ 1,2 bilhão, dos quais cerca de R$ 250 milhões são distribuídos entre as prefeituras de Mato Grosso para custear a manutenção de estradas, pontes e obras em habitação. O restante fica com o governo do Estado, para investimentos em infraestrutura.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Governo perde prazo para prestar informação ao STF... O governador Pedro Taques (PSDB) perdeu prazo para prestar informações ao Supremo Tribunal Federal (STF) na Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI)...
Zeca Viana cobra esclarecimentos sobre conta única... O deputado estadual Zeca Viana apresentou nesta terça-feira (25) requerimento de informações ao governo do Estado cobrando detalhes sobre a abertura d...
Mato Grosso deve ter crescimento do PIB entre os E... Puxado pela safra nacional recorde de grãos, Mato Grosso deve ter um crescimento no seu Produto Interno Bruto (PIB) de 5,1%. A conclusão faz parte do ...
Zeca Viana denuncia abandono e tratamento desumano... Cerca de 350 estudantes da rede pública estadual enfrentam situação de calamidade para poder estudar na Escola Estadual Miguel Gonçalves Borges, em Ca...